segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Dica de Natal 3



 É Natal, é tempo de alegria, festa e tradição. As crianças adoram o Natal, as decorações que embelezam a casa e abraçam o mundo de fantasia que ano após ano vão construindo. 

   Um dia mais tarde recordarão texturas, aromas e imagens que os farão viajar à infância. É por isso uma altura importante para que a construção de memórias seja positiva e rica, sem percalços ou acidentes.



Decorações

No momento da compra tenha especial atenção às etiquetas e/ou embalagens das decorações, procure materiais não inflamáveis.
Não opte por decorações afiadas ou quebráveis. Os enfeites pequenos ou compostos por partes pequenas removíveis não devem estar ao alcance da criança, bem como aqueles que imitam alimentos ou doces; a criança poderá engoli-los.
Os sprays de neve artificial facilmente provocam irritação pulmonar, respeite as regras de utilização e afaste os mais pequenos aquando da sua aplicação.
As velas, muito utilizadas nesta altura, não deveram ser colocadas nas árvores ou próximas de material inflamável. Não se esqueça de as apagar à noite ou quando se ausenta. Coloque-as fora do alcance das crianças, lembre-se que facilmente provocam um incêndio ou queimaduras graves.
Um Natal feliz é um Natal seguro!

Nota: Imagem retirada da Internet

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Dica de Natal 2


 É Natal, é tempo de alegria, festa e tradição. As crianças adoram o Natal, as decorações que embelezam a casa e abraçam o mundo de fantasia que ano após ano vão construindo. 

   Um dia mais tarde recordarão texturas, aromas e imagens que os farão viajar à infância. É por isso uma altura importante para que a construção de memórias seja positiva e rica, sem percalços ou acidentes.





terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Dica de Natal 1


   É Natal, é tempo de alegria, festa e tradição. As crianças adoram o Natal, as decorações que embelezam a casa e abraçam o mundo de fantasia que ano após ano vão construindo. 

   Um dia mais tarde recordarão texturas, aromas e 
imagens que os farão viajar à infância. É por isso uma altura importante para que a construção de memórias seja positiva e rica, sem percalços ou acidentes.


Os filhos são apenas um empréstimo!



Embora não seja da autoria de José Saramago, esta frase não deixa de ser uma valiosa verdade da qual não nos devemos esquecer, a favor da autonomia dos que educamos para um dia serem adultos livres e responsáveis. 
São apenas um empréstimo...
Ultimamente o seu filho tem um peluche, lenço/fralda ou manta do qual não se quer separar, principalmente nos momentos em que se sente mais cansado, ansioso ou com medo? 


Esse é um objecto ao qual se vinculou pela representação afectiva da mãe que se ausenta. Através desse peluche ou lenço o bebé tem a mãe presente naquele momento em que necessita de conforto e segurança. Não contrarie esta ligação, lembre-se que nele está um pouco de si, daí a importância do seu cheiro e textura. Quando lavado parece que perde parte do seu encanto!

Um abraço é muito mais do que dois braços que envolvem um corpo!


    Esta imagem retrata a história das irmãs gémeas Brielle e Kyrie e tem cerca de 10 anos. As incubadoras seriam o destino certo perante
 o nascimento prematuro de ambas. Não se esperava que Brielle sobrevivesse, dificuldades respiratórias somavam-se aos seus problemas cardíacos. A enfermeira já desesperançada e desafiando o protocolo de segurança do hospital decide colocar as irmãs na mesma incubadora, deixando-as por momentos sozinhas. Quando regressou ficou estupefacta com o que viu. Kyrie abraçava a irmã, que aos poucos foi recuperando, estabilizando a frequência cardíaca e respiratória. Mantiveram-nas juntas até a sua total recuperação. 

    Um história que reforça a importância do toque e do abraço, principalmente nos primeiros meses de vida!

O gosto pelo sabor ácido chega mais tarde...



quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dicas para pais atarefados!


Trabalhar no "duro" todo o dia e ser pai ou mãe, não é fácil! Sentir que o tempo é pouco para tudo, sentir culpa e frustração pelo que se acha que não se deu é o dia a dia de muitos pais.

Se isto lhe acontece pode sempre tentar as 6 dicas:
1 - Ouvir e conversar com os filhos 
2 - Tornar o jantar num encontro especial com os filhos
3 - Envolver-se nos interesses e actividades dos filhos
4 - Transformar a hora de deitar num momento 1:1
5 - Ler com os filhos
6 - Dizer todos os dias aos filhos o quanto os ama


quarta-feira, 21 de novembro de 2012

"Trouxinha"

O seu bebé chora muito e não sabe como confortá-lo? Experimente aconchegá-lo numa mantinha de forma a ficar bem contido. Irá recordar o conforto do meio intra-uterino. 



Jogos violentos... um risco para os mais pequenos!

Veja o vídeo da campanha contra os jogos violentos para crianças.
Brincar é ensaiar uma realidade futura e esta não é certamente a que desejamos para as nossas crianças! 


Saber partilhar...


Não se nasce a saber partilhar... A capacidade de partilha nasce e cresce na interacção com os outros e no exemplo dado pelos principais cuidadores.
Não descure esta aprendizagem e acrescente-lhe um toque de amor e afecto!


Sono Seguro

Sono seguro, no quarto dos pais até aos 6 meses de idade!

Imagem retirada da site http://fsid.org.uk.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Rotina do Sono 4


A partir dos três meses não pegue na criança ao primeiro protesto; aguarde que volte a adormecer sozinha.


A partir dos seis meses a criança é capaz de dormir 10 horas seguidas sozinha, no seu quarto e às escuras.


Se aos 6 anos a criança não souber dormir é provável que venha a sofrer de insónia, sonambulismo ou outras doenças do sono.



As sestas deverão ser feitas em ambiente de luz e actividade diurna, de preferência fora do quarto.


Nota: Imagem retirada da Internet

sábado, 3 de novembro de 2012

Rotina do Sono 3


      Na continuidade das dicas dadas anteriormente... 
      Se a criança chorar deve entrar no quarto para reconfortar durante um a dois minutos mas não para a adormecer, ela conciliará o sono sozinha.
      Antes de entrar espere alguns minutos conforme esquema:

Dia
1ª visita
2ª visita
3ª visita
2 minutos
4 minutos
6 minutos
4 minutos
6 minutos
8 minutos
6 minutos
8 minutos
10 minutos
8 minutos
10 minutos
12 minutos

Experimente com o seu bebé! Verá que resulta!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Rotina do Sono 2


O que fazer TODAS as noites:

- Dar a refeição fora do quarto;
- Dar o banho (divisória entre o dia e a noite);
- Brincar ou mimar uns dez a quinze minutos;
- Deitar sempre à mesma hora (entre as vinte e trinta e as vinte e uma);
- Deitá-lo na cama com um boneco ou urso de peluche e a chupeta;
- Colocar várias chupetas na cama para que se acordar possa facilmente pegar-lhe;
- Despedir-se (boa noite, até amanhã, toca a dormir...);
- Sair do quarto antes da criança adormecer;
- Se a criança chora entrar no quarto para reconfortar durante um a dois minutos mas não para a adormecer, ela conciliará o sono sozinha.

Nota: Imagem retirada da Internet

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Rotina do Sono

A rotina do sono deve ser independente da presença dos pais, caso contrário quando o bebé acorda durante a noite sente-se incapaz de adormecer sem ajuda.

O que deve evitar fazer:
- Cantar-lhe;
- Embalá-lo no berço;
- Embalá-lo nos braços;
- Dar-lhe a mão;
- Passeá-lo no carrinho;
- Dar uma volta de carro;                                                                   
- Tocar-lhe ou deixar que lhe toque no cabelo;                                  
- Dar-lhe palmadinhas ou acariciá-lo;                                              
- Dar-lhe o biberão ou amamentá-lo;                                                         
- Pô-lo na cama dos pais;                                                                  
- Deixá-lo correr até que caia de cansaço;                                       
- Dar-lhe água;
- Não deixar prolongar o sono da noite até ao fim da manhã (mesmo em noites mal dormidas).

Nota: Imagem retirada da Internet

Rotina de Adormecimento


A rotina de adormecimento deste bebé é totalmente dependente da presença do pai. E por isso, as noites são sinónimo de agitação e ansiedade lá em casa. Por sabermos que é uma situação muito frequente, esta semana dedicamos alguns dias à rotina do sono! 


segunda-feira, 22 de outubro de 2012

O papel da vinculação segura na prevenção da doença mental


 A doença mental mais do que um problema individual é uma questão de saúde pública. Vivemos em sociedade, somos permeáveis à influência dos outros e principalmente somos relacionais, o nosso bem-estar depende também do bem-estar do outro. O nosso país, à semelhança de tantos outros, despende um gasto elevado no tratamento das patologias emocionais quando a resposta assertiva a este problema passa pela prevenção. Esta deveria ocorrer idealmente o mais atempada possível, e por isso faz todo o sentido sermos mais conhecedores do desenvolvimento infantil e do papel preponderante que os cuidadores, pais, educadores e familiares têm na prevenção da doença mental. A sociedade actual impõem-nos um ritmo que potencia o distanciamento e inatenção a questão tão simples como o relacionamento interpessoal e de forma mais intensa nos desliga daquilo que é essencial, a sensibilidade para cuidarmos das crianças que representam o futuro e o amanhã.

Descurar o afecto na relação com o bebé é o maior risco de doença mental. Os processos vinculativos são estudados há décadas mas aquilo que se percebe é que os resultados destes estudos não preenchem um dos seus propósitos, prevenir a doença mental. É nossa obrigação, enquanto técnicos de saúde mental, partilhar esta informação principalmente com os pais.

A vinculação consiste nos laços que se criam e mantém entre os bebés e os seus cuidadores, que se fortalecem ao longo do tempo e permitem aos primeiros lidar com o stress e os desafios de uma nova realidade. Uma vinculação segura permite ao bebé sentir-se amado e cuidado sendo o alicerce para uma relação estável na qual existe espaço e tempo para a exploração do meio envolvente. Os cuidadores são nesta altura a base segura à qual poderão recorrer à mínima ansiedade, medo ou simples desconforto desde recém-nascidos.

Pais atentos, com uma resposta assertiva e atempada ao sinal de desconforto do bebé, previnem não só a doença mental futura como as patologias físicas provenientes da janela aberta criada pelo estado de tensão. A vinculação insegura está associada a alterações dos estados de humor, ansiedade, agressividade e patologias físicas diversas. Quando segura é uma protecção valiosa.

Pequenas alterações no comportamento parental podem potenciar a insegurança dos filhos através do desconforto ao qual o recém-nascido é tão permeável. Criar laços consistentes com os filhos, ter sensibilidade às suas necessidades e protege-los dos elementos potencialmente stressantes com os quais não sabem lidar, são os factores de maior peso numa vinculação segura, não descurando o bem-estar dos pais e da relação entre ambos. A disponibilidade para estes pequenos seres humanos deverá ser sempre consonante com as suas características não caindo no maior erro de o percepcionar como um pequeno adulto. Os bebés precisam de amor, afecto e cuidado que deverá ser consistente, equilibrado e contínuo.

Nota: Imagem retirada da Internet

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Efeito analgésico da chupeta


Sabia que a chupeta tem um efeito analgésico potenciado pelo uso da sacarose (açúcar) e de lullabies? 

Muito útil nas punções venosas (tirar sangue), na picada de calcanhar (teste do pézinho) e nas imunizações (vacinas). 

Já sabe, na próxima vacina sussurre uma canção de embalar e peça à enfermeira a solução de sacarose preparada para este efeito. 


Escute a nossa sugestão de lullaby "Ami tomake, balo bashi baby", proveniente do Bangladesh (tradução: Eu amo-te meu bebé)


Recomendações para o uso da chupeta




- Uso de chupeta como prevenção no SMSL (Síndrome de Morte Súbita do Lactente) 
- Uso a partir das 4 semanas de vida (depois de amamentação estabelecida)
- Uso apenas no início do sono, nas crises de choro e nos procedimentos dolorosos



Nota: Chupeta MAM

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

A Chupeta Ideal


Após o sucesso da palestra "Nós, o bebé e a chupeta" partilhamos com os nossos leitores as características da Chupeta Ideal:

- Tetina simétrica, em gota
- Disco recortado, simétrico, arejado, côncavo
- Botão confortável e seguro



Chupeta da MAM (http://www.mambaby.com/)

Nós, o bebé e a chupeta!

Ontem A Dr.ª Fátima Pinto, co-autora deste blogue, foi a formadora da Palestra 'Nós, o bebé e a chupeta', dirigida a farmacêuticos. Decorreu no auditório da COFANOR (Porto) em parceria com a MAM (http://www.mambaby.com/). Foi um sucesso e é com imenso gosto que partilhamos, com os nossos leitores, o registo de alguns momentos da formação.




Obrigada a todos os presentes pela participação e entusiasmo demonstrados!

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Receita caseira de cola natural



Chávena de farinha
1 1/2 Chávena de água
1/3 Chávena de açúcar
1 Colher de chá de vinagre

Numa panela misture 1 chávena de farinha com 1/3 de chávena de açúcar.
Adicione metade da água necessária e misture até obter uma pasta grossa, sem grumos.

Deite o resto da água e mexa bem até obter um preparado homogéneo.
Adicione uma colher de chá de vinagre e coloque em lume médio até que a mistura comece a engrossar.
Esfrie e transfira a cola para um frasco ou um recipiente plástico hermético.
Esta cola dura alguns dias. Se colocar no frigorífico dura mais tempo.
O vinagre funciona como um conservante natural suave, torna a cola não tóxica e perfeitamente comestível!
Esta cola demora mais tempo a secar mas uma vez seca é consideravelmente forte.
Poderá adicionar alguma essência, como por exemplo de alfazema, se quiser estimular o olfacto através de produtos naturais, não tóxicos. No entanto com esta adição é natural que a cola fique com um tom levemente acastanhado ao contrário da receita simples que se torna quase transparente quando seca.

A maioria das colas contém substâncias tóxicas prejudiciais à saúde dos mais pequenos.
Esta é uma óptima receita natural para uma tarde de recortes e colagens! Excelentes actividades para desenvolver a criatividade e a motricidade fina.



Imagem retirada da Internet

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Nós, o bebé e a chupeta!

A Chupeta é subvalorizada na língua Portuguesa e bem melhor caracterizada na inglesa… 
- Pacifier,
- Soother, 
- Conforter


Nós, o bebé e a chupeta

Divulgamos a Palestra 'Nós, o bebé e a chupeta', dirigida a farmacêuticos. A palestrante é a Drª Fátima Pinto (Dra MAM) e decorrerá no auditório da COFANOR, no Porto, dia 17 de Outubro. E por isso esta semana será dedicada às chupetas, uma dica por dia! Teremos muito gosto que nos acompanhe! 

http://www.cofanor.pt/images/stories/file/FORMAO/mailing_MAM.pdf

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Dia Mundial da Saúde Mental

Neste dia Mundial da Saúde Mental escolhemos um vídeo que conta com a colaboração da Organização Mundial de Saúde acerca da depressão. Aproveitamos para relembrar que a depressão pós-parto é frequente mas muitas vezes ignorada. Reconhecer este problema e procurar ajuda é o primeiro e mais importante passo para a recuperação.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Treino do pote II


Opte, nesta altura, por roupa simples e prática, sem botões ou fechos, de forma a que o seu filho a consiga despir com facilidade. 

Depois de familiarizado com o pote, comece por o sentar sem fralda, por períodos curtos 
de tempo (15 a 25 minutos). Crie uma rotina com horários pré-estabelecidos mas se a criança tiver hábitos intestinais regulares aproveite essas alturas para o treino.

Nunca obrigue, incentive! 

Não se esqueça que a ama ou as educadoras devem dar continuidade ao treino. 

Opte por ler uma história ou conversar com o seu filho durante o tempo de pote. 




Imagem retirada da 
Internet

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Treino do pote I

É aconselhado iniciar o treino do pote por volta dos 18 meses, no entanto nem todas as crianças estão receptivas nesta altura. Poderá adiar até aos 24 meses. 
A duração do treino do pote é habitualmente de 6 meses e poderá ser superior nos meninos. 
Se a criança recusar persistentemente a ida ao pote, não insista. Poderá ser benéfico parar o treino 1 a 3 meses.  


Imagem retirada da Internet

terça-feira, 31 de julho de 2012

sábado, 28 de julho de 2012

Still Face Experiment

A importância da resposta materna à iniciativa do bebé. Veja a reacção à ausência de expressão facial e verbal materna na interacção mãe-bebé.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Autonomia III: 18 meses


Alimentação: Permitir que mantenha a exploração dos alimentos e o treino do uso da colher. É importante colocar novos alimentos à disposição da criança permitindo manter a alimentação com uma actividade de descoberta.

Vestir: Manter as indicações dos 12 meses, mas agora exija que a criança colabore no vestir ainda que isso exija mais tempo. Permita algumas escolhas: entre dois pares de sapatos, entre duas camisolas, etc.

Motricidade Global: Peça ajuda à criança na altura de arrumar os brinquedos. Nesta idade já consegue baixar-se e ainda que só pegue apenas num brinquedo e o dê à mãe já começa a compreender algumas regras.

Linguagem: Sempre que a criança aponta algo porque quer esse objecto ou alimento deve ser incentivada a nomeá-lo ou a repetir a palavra de forma correcta após a correcção dos pais. Ex. “Agui”, “Sim, a mãe vai dar água”. Nunca se deve repetir as palavras infantilizadas.


Imagem retirada do site: http://mayalaurentphotography.squarespace.com/

domingo, 22 de julho de 2012

Passatempo Bonecas Waldorf!

As bonecas Waldorf diferenciam-se por respeitarem e estimularem a capacidade imaginativa da criança. Não reproduzem fielmente a figura humana permitindo que a sua fantasia tenha um papel preponderante na actividade criativa. 
As bonecas são confeccionadas de forma artesanal e com materiais naturais, o que permite à criança experiências sensoriais diversas como diferentes texturas, cores, formas, pesos e até aromas. Estas bonecas bebés são pensadas para os mais pequenos e são levemente perfumadas com essência de alfazema.




Parabéns à Nídia! Receberá esta semana a Boneca Waldorf!

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Everybody is a genius!

Não exija da criança aquilo que ela não é ainda capaz de conquistar. Valorize todas as aprendizagens mesmo que pequenas, esse afecto alimentará a sua auto-estima!


Imagem retirada da Internet

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Life learning is about...

A aprendizagem promotora de desenvolvimento é aquela proporcionada pela liberdade de interesse, curiosidade e escolha. Neste Verão não imponha fichas e trabalhos, proporcione vivências enriquecedoras resultantes do contacto espontâneo com as outras crianças e com a natureza.

domingo, 15 de julho de 2012

If you want your children to be intelligent...

Não espere pelos 6 anos, a partir dos 6 meses de idade crie hábitos de leitura lendo em voz alta em família. Esta estimulação é preponderante para a aquisição das competências linguísticas e cognitivas.


Imagem retirada da Internet

sexta-feira, 13 de julho de 2012

A importância de planear as férias!


Planeie as férias dos mais pequenos com actividades que exijam a interacção social, promotora do desenvolvimento afectivo-emocional e consequentemente cognitivo. 
Não descuide as férias e não subestime a importância das actividades lúdicas com o grupo de pares. O televisor é a pior companhia da criança, mesmo em dias preenchidos de nuvens procure entreter os mais pequenos com brincadeiras e jogos em que toda a família participa!


Imagem retirada da Internet

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Autonomia II: 12 meses


Alimentação: A partir desta idade, a criança deve fazer as refeições à mesa, na mesma altura que os pais. Deve ser dada uma colher, para que ela própria inicie a exploração funcional dos objectos e imite os pais. As crianças devem, nesta altura, começar a beber pelo copo com ajuda.

Vestir: À medida que os pais vão vestindo os filhos devem pedir a sua colaboração “Estica os braços para vestirmos a camisola”, “Puxa agora tu a camisola para baixo”. Ainda que nesta altura seja difícil para a criança realizar estas tarefas é importante ir descrevendo os passos necessários quando se veste.

Motricidade Global: É importante deixar a criança gatinhar livremente, numa área segura, sem perigos. Nunca se deve usar os andarilhos, para além de perigosos não permitem à criança a aquisição de novas competências, como por exemplo o andar.

Imagem retirada da Internet

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Autonomia I: dos 9 aos 12 meses


Frequentemente na consulta de Psicologia e de Pediatria verificamos que os pais, dada a falta de tempo e o cansaço de um dia-a-dia demasiado exigente, descuram a autonomia dos filhos. Parece-nos pertinente relembrar como as  rotinas diárias se podem transformar em treinos de autonomia.

Alimentação: Quando se introduz alimentos sólidos na dieta da criança outras alterações são também aconselhadas. É benéfico ter a sua própria cadeira e espaço suficiente para explorar os alimentos. É uma experiência nova, é natural que queira mexer, cheirar e provar aos poucos vários alimentos. A descoberta de novas texturas, cores e aromas deve ser proporcionada e estimulada, permitirá novos conhecimentos e novas aventuras. Também o é para os pais que nesta altura devem pôr em segundo plano o bebé cheiroso e com uma fatiota impecável.

Brincar: Os pais devem sentar a criança numa manta e oferecerem-lhe um brinquedo e com ela explorar o brincar livre. O brincar deve ser o veículo privilegiado para a aquisição de novos conceitos e aprendizagens.

Dormir sozinho: Nesta altura a criança deve ter o seu próprio quarto. O bebé já apresenta capacidade de auto-regulação que lhe permite confortar-se e adormecer sem a intervenção do adulto.


Imagem retirada da Internet

terça-feira, 10 de julho de 2012

Dica: Como tirar partido das novas tecnologias I


Existem inúmeras aplicações para o IPAD direccionadas para os mais pequenos. Algumas mostram-se úteis para estimulação e são sempre muito bem aceites pelas crianças pelo manuseamento intuitivo que o IPAD proporciona. Vamos sugerir algumas, sempre com a ressalva de que serão actividades a realizar por curtos espaços de tempo (cerca de 15 minutos), sem comprometer o brincar livre, criativo e partilhado (com os pais, irmãos, pares) indispensável e prioritário.

Amazing Brain

É um jogo que explora 4 áreas:

- Lógica
- Memória
- Cálculo
- Observação

É indicado para crianças a partir dos 4 anos de idade.
Na aplicação gratuita é disponibilizado um jogo por cada área, já na versão completa (0,79€) existem quatro jogos diferentes. 
Na opção Test o jogo termina com a apresentação do gráfico resumo do desempenho da criança, onde poderá analisar quais as áreas fortes e as dificuldades. Será ainda possível acompanhar a evolução através da comparação com resultados anteriores. 


http://itunes.apple.com/pt/app/amazing-brain/id430798625?mt=8

Conversar desde o Berço


Um vídeo que apresenta todo o material do Projecto! Nestas férias de Verão aproveite as dicas do Conversar desde o Berço!

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Passatempo Bonecas Waldorf!

Decidimos mimar os nossos seguidores e os seus filhotes através do Passatempo Bonecas Waldorf. 
As bonecas Waldorf diferenciam-se por respeitarem e estimularem a capacidade imaginativa da criança. Não reproduzem fielmente a figura humana permitindo que a sua fantasia tenha um papel preponderante na actividade criativa. 
As bonecas são confeccionadas de forma artesanal e com materiais naturais, o que permite à criança experiências sensoriais diversas como diferentes texturas, cores, formas, pesos e até aromas. Estas bonecas bebés são pensadas para os mais pequenos e são levemente perfumadas com essência de alfazema. 
Para se inscrever basta:
- Preencher o formulário,
- Gostar da nossa página de facebook (www.facebook.com/odesenvolvimentoinfantil.com),
- Partilhar este passatempo no seu blog ou página de facebook,
Cada pessoa só poderá preencher o formulário uma única vez e até às 24 horas do dia 21 de Julho. O sorteio irá ser realizado através do sistema random.org, dia 22 do mesmo mês. Participe já e boa sorte!
Nota: Os portes de envio ficam a nosso cargo.


terça-feira, 26 de junho de 2012

Dislexia


Um estudo financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) concluiu que 5,4% das crianças portuguesas revelam dificuldade em ler e escrever. Assim, uma em cada 25 crianças do nosso país apresentará dislexia. São dados que não diferem do panorama internacional, no entanto alertam-nos para a necessidade de uma maior atenção e detecção precoce desta dificuldade para que a intervenção seja a mais atempada possível.  

Muito simplificadamente, a dislexia caracteriza-se pela dificuldade no processo de aquisição da leitura.
Actualmente a definição mais consensual é a da Associação Internacional de Dislexia - IDA (2002) e do National Institute of Child Health and Human Development – NICHD:  
“Dislexia é uma incapacidade específica de aprendizagem, de origem neurológica. É caracterizada por dificuldades na correcção e/ou fluência na leitura de palavras e por baixa competência leitora e ortográfica. Estas dificuldades resultam de um défice fonológico, inesperado, em relação às outras capacidades cognitivas e às condições educativas. Secundariamente podem surgir dificuldades de compreensão da leitura, experiência de leitura reduzida que pode impedir o desenvolvimento do vocabulário e dos conhecimentos gerais”.
Desta definição se conclui que as crianças disléxicas não possuem comprometimento intelectual e portanto o seu quociente de inteligência deve apresentar-se dentro dos valores normativos para a sua faixa etária.
Outra definição que nos auxilia é-nos apresentada por Vitor da Fonseca, 1999:
“A dislexia é uma dificuldade duradoura da aprendizagem da leitura e aquisição do seu mecanismo, em crianças inteligentes, escolarizadas, sem quaisquer perturbação sensorial e psíquica já existente.”
Desta definição tiraremos dois outros critérios de exclusão. A criança não deverá apresentar perturbação emocional nem sensorial. Acrescentamos ainda a necessidade de ausência de uma relação pedagógica perturbada que poderá comprometer todos os processos de aprendizagem, incluindo este.

O diagnóstico poderá ser realizado após dois anos do início da aprendizagem da leitura, a partir do 2º ano. Naturalmente poderão existir suspeitas em idade inferiores que deverão alertar os cuidadores e professores para uma vigilância preventiva.
Existem propostas de intervenção eficazes na dislexia com resultados bastante satisfatórios. A avaliação e a intervenção deverão ser sempre realizadas por psicólogos, dada a natureza dos critérios de diagnóstico e a especificidade da intervenção habilitativa.

Em contexto educativo o Decreto-Lei nº3/2008 enquadra os apoios especializados que visam responder às necessidades educativas especiais dos alunos com limitações significativas decorrentes de alterações que se traduzem em dificuldades continuadas ao nível da comunicação, aprendizagem, entre outras, dando lugar à mobilização de serviços especializados para a promoção do potencial de funcionamento biopsicosocial. No entanto, a muitas crianças disléxicas é negado o apoio dado que este decreto só permite a elegibilidade dos casos considerados muito graves com sério comprometimento da aprendizagem. Desta forma, poucos são os abrangidos pelas medidas de Educação Especial (com apoio dado por professores especializados e adaptação das condições de avaliação).

Existem várias associações que visam a promoção da investigação nesta área bem como o apoio na intervenção com crianças e jovens disléxicos.
Divulgamos as seguintes, na certeza que poderão existir outras de igual mérito.
APPDAE – Associação Portuguesa de Pessoas com Dificuldades de Aprendizagem Específicas: http://www.appdae.net/pfdislexia.html
DISLEX – Associação Portuguesa de Dislexia: http://www.dislex.net/
Imagem retirada da Internet

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails